Brasileiros se destacam no QS 10000 Ballito Pro na África do Sul

By abrasp | 5 de julho de 2017 | Notícias

Os brasileiros seguem se destacando nas etapas da “perna sul-africana” do WSL Qualifying Series. Depois das duas vitórias consecutivas de Alex Ribeiro no QS 3000 de Durban e no QS 1000 de Cape Town, eles agora já são maioria com treze surfistas entre os 44 que continuam na disputa do título do primeiro evento com status máximo QS 10000 do ano. Na quarta-feira, o dia começou e terminou com dobradinhas verde-amarelas. Primeiro com os catarinenses Yago Dora e Tomas Hermes na segunda fase, depois com o capixaba Krystian Kymerson e o paulista que lidera o ranking, Jessé Mendes. Já o cearense Heitor Alves fez os recordes do terceiro dia do QS 10000 Ballito Pro apresentado pela Billabong em KwaZulu-Natal.

Jesse Mendes (Foto: Kelly Cestari – WSL)

A grande apresentação do surfista que por muitos anos defendeu o Brasil na divisão de elite da World Surf League, aconteceu na penúltima bateria da segunda fase. Heitor ganhou nota 8,83 em sua melhor onda surfada em Willard Beach, que somou com 6,67 para totalizar 15,50 pontos. Ele derrotou dois australianos que estão na lista dos dez indicados pelo WSL Qualifying Series para completar o grupo dos top-34 do World Championship Tour. Na briga pela segunda vaga para a terceira fase, o número 7 do ranking, Cooper Chapman, superou o número 6, Soli Bailey, eliminado junto com o havaiano Seth Moniz.

“Eu já estou aqui quase um mês treinando nesta onda e isso me deixou muito mais confiante para competir”, disse Heitor Alves, que só havia participado de duas etapas do QS esse ano e chegou em Ballito em 177.o lugar no ranking. “Este evento é muito importante. Como estou sem patrocínio, tenho que escolher as principais etapas para economizar dinheiro, então para mim, o circuito está começando agora. Estou focado em obter um bom resultado aqui, o que certamente vai me levar para o topo do ranking”.

Tomas Hermes (Foto: Kelly Cestari – WSL)

O próximo desafio de Heitor Alves na África do Sul será na última bateria da terceira fase, contra o australiano Ethan Ewing, o norte-americano Kilian Garland e o catarinense Willian Cardoso, que venceu a segunda dobradinha brasileira da quarta-feira em Willard Beach. O paulista Flavio Nakagima, que defende a última posição no G-10 do WSL Qualifying Series, passou junto com ele, superando o argentino Santiago Muniz e o australiano Jackson Baker.

DOBRADINHAS – A primeira classificação dupla do Brasil aconteceu logo na primeira bateria do dia, com os catarinenses Tomas Hermes e Yago Dora, quinto colocado no ranking, despachando o havaiano Kiron Jabour e o veterano australiano Tom Whitaker. E a terceira fechou a quarta-feira, com o líder disparado do QS, Jessé Mendes, eliminando os franceses Jeremy Flores e Marc Lacomare no confronto vencido pelo capixaba Krystian Kymerson já pela terceira fase da competição.

Alejo Muniz (Foto: Kelly Cestari – WSL)

Foram realizadas apenas as duas primeiras baterias e o catarinense Alejo Muniz, campeão do QS 10000 Ballito Pro em 2015, ganhou a primeira batalha por duas vagas para a rodada classificatória para as oitavas de final. Com os 2.200 pontos já garantidos no ranking, Alejo entrou no G-10 e agora é Flavio Nakagima que também precisa avançar para retornar a zona de classificação para o CT. E o caminho está livre para isso, pois metade dos dez primeiros colocados no ranking já foram eliminados nos três primeiros dias do campeonato.

O vice-líder, Alex Ribeiro, que tinha vencido as duas etapas anteriores da “perna sul-africana”, foi barrado pelos norte-americanos Nathan Yeomans e Kilian Garland em sua estreia nas ondas de Willard Beach. O japonês Hiroto Ohhara, que ocupava a terceira posição, perdeu para Alejo Muniz e o sul-africano Michael February na abertura da terceira fase. E também já não defendem mais suas vagas no G-10 o número 4 do ranking, Jorgann Couzinet, da França, o número 6, Soli Bailey, da Austrália, e o número 8, Ian Crane, dos Estados Unidos.

Krystian Kymerson (Foto: Kelly Cestari – WSL)

MAIORIA BRASILEIRA – Entre os 44 surfistas que continuam na disputa do título no QS 10000 da África do Sul, os brasileiros são maioria com treze surfistas, contra dez australianos. Completam a lista de concorrentes, oito norte-americanos, três havaianos, três sul-africanos, dois franceses, um uruguaio, um espanhol, um marroquino, um italiano e um português, Vasco Ribeiro, que venceu a bateria que o top do CT, Ian Gouveia, terminou em último lugar.

O uruguaio Marco Giorgi será o primeiro sul-americano a competir na quinta-feira. Ele está na quarta bateria da terceira fase, a segunda do dia a entrar no mar em Willard Beach, junto com o americano Tanner Gudauskas, o havaiano Joshua Moniz e o sul-africano David Van Zyl. A previsão é iniciar o quarto dia do QS 10000 Ballito Pro às 7h00 da quinta-feira na África do Sul, 2h00 da madrugada no fuso horário de Brasília.

Michael Rodrigues (Foto: Kelly Cestari – WSL)

TERCEIRA FASE – Na disputa seguinte, começa a participação brasileira com Miguel Pupo enfrentando um dos favoritos ao título, o sul-africano Jordy Smith, além do australiano Adam Melling e o espanhol Vicente Romero. Na sétima bateria, Tomas Hermes também compete sozinho contra o italiano Leonardo Fioravanti e os australianos Mikey Wright e Jacob Willcox. A oitava será um confronto direto entre Brasil e Austrália, de Yago Dora e o cearense Michael Rodrigues, com Josh Kerr e Dion Atkinson.

Depois, tem o paulista Samuel Pupo na nona bateria, o carioca Lucas Silveira na décima e mais duas participações duplas do Brasil nas duas que vão definir as quatro últimas vagas para a rodada dos 24 surfistas que vão disputar classificação para as oitavas de final. Na penúltima, os paulistas Flavio Nakagima e Victor Bernardo enfrentam o australiano Cooper Chapman e o norte-americano Nathan Yeomans. E a última será entre o cearense Heitor Alves, o catarinense Willian Cardoso, o australiano Ethan Ewing e o americano Kilian Garland.

O QS 10000 Ballito Pro apresentado pela Billabong continua nesta quinta-feira em KwaZulu-Natal, com a primeira chamada para a terceira bateria da terceira fase marcada para as 7h00 na África do Sul, 2h00 da madrugada no fuso horário de Brasília, com transmissão ao vivo pelo www.worldsurfleague.com