Matt Wilkinson vence em Fiji e lidera o ranking do CT

By abrasp | 15 de junho de 2017 | Notícias

O australiano Matt Wilkinson conquistou o título do Outerknown Fiji Pro, conseguindo o único resultado possível para tirar a lycra amarela do Jeep WSL Leader do havaiano John John Florence. A decisão na quinta-feira de boas ondas de 6 pés em Cloudbreak, foi contra um estreante na elite desse ano, Connor O´Leary, que barrou o também australiano Joel Parkinson nas semifinais. O campeão mundial dividiu a terceira posição com o taitiano Michel Bourez. Já os brasileiros Italo Ferreira e Ian Gouveia ficaram em nono lugar, perdendo os primeiros duelos do último dia do quinto desafio do World Surf League Championship Tour em Fiji.

Connor O´Leary e Matt Wilkinson (Foto: Kelly Cestari – WSL)

A próxima batalha pelo título mundial mais disputado dos últimos tempos será na África do Sul, com cinco surfistas brigando fase a fase pela ponta do ranking no Corona J-Bay Open, de 12 a 23 de julho em Jeffreys Bay. Matt Wilkinson precisava unicamente da vitória no Outerknown Fiji Pro para assumir a liderança, pois se ficasse em segundo na final, permaneceria em quinto lugar.

A briga está boa, pois ele ultrapassou John John Florence por 250 pontos apenas e só tem 600 pontos de vantagem sobre os agora terceiros colocados, Adriano de Souza, Jordy Smith e Owen Wright. Ou seja, a lycra amarela de número 1 do Jeep WSL Leader vai ficar com quem chegar na frente em Jeffreys Bay.

Além deles, Joel Parkinson em sexto no ranking e Connor O´Leary, que saltou de 15.o para sétimo com o vice-campeonato em Fiji, também têm chances matemáticas de superar os 26.750 pontos de Matt Wilkinson na África do Sul. Os dois se encontraram nas semifinais e o novato ganhou fácil do campeão mundial por 15,40 a 8,36 pontos. Já o duelo entre Matt Wilkinson e Michel Bourez foi bem mais disputado e só decidido nas últimas ondas que eles surfaram. O taitiano ficou na frente com nota 7,50, mas a 5,90 do australiano garantiu a vitória por 14,23 a 14,00 pontos.

Matt Wilkinson (Foto: Ed Sloane – WSL)

FINAL DE MANOBRAS – Apesar de terem rolados bons tubos durante o dia, principalmente no início das quartas de final, quando Michel Bourez e o próprio Wilko, venceram suas baterias dando um show no melhor momento do mar em Cloudbreak, na decisão do título as manobras arrancaram as maiores notas. O estreante em Fiji, Connor O´Leary, começou bem com 8,33 e Wilkinson só conseguiu dar o troco em sua terceira tentativa, quando atacou uma esquerda com fortes batidas e rasgadas conectadas com velocidade, para ganhar 8,57 dos juízes. Na onda seguinte, consegue 6,93 e obriga seu oponente a tirar 7,18 para vencer.

O´Leary até consegue mais do que isso em outra boa apresentação que valeu 7,37, mas Wilkinson confirmou mais uma vitória na última onda, arriscando tudo para merecer 8,03 e o prêmio máximo de 100.000 dólares por 16,60 a 15,70 pontos. Já tinha sido assim na semifinal com Michel Bourez e só contra Julian Wilson nas quartas de final, ele liquidou a bateria logo nas duas primeiras ondas. Aliás, ele só surfou três, todas com notas acima de oito.

Connor O’Leary (Foto: Ed Sloane – WSL)

Os cinco principais concorrentes ao título mundial, venceram as cinco etapas completadas em Fiji. Matt Wilkinson foi o primeiro a chegar em duas finais. Owen Wright impediu que ele conquistasse o bicampeonato na Gold Coast, mas conseguiu agora uma vitória que escapou na final do ano passado com Gabriel Medina. John John Florence ganhou a segunda etapa em Margaret River, Jordy Smith venceu a de Bells Beach e Adriano de Souza foi o campeão do Oi Rio Pro no Brasil.

PARTICIPAÇÃO BRASILEIRA – Em Fiji, pela primeira vez no ano, nenhum brasileiro participou das fases decisivas. A temporada começou com Gabriel Medina sendo semifinalista na Gold Coast. Filipe Toledo também ficou em terceiro lugar em Margaret River. Em Bells Beach, Caio Ibelli foi vice-campeão na última parada do World Surf League Championship Tour na Austrália. E na etapa brasileira, Adriano de Souza conquistou o título do Oi Rio Pro em Saquarema.

Italo Ferreira (Foto: Ed Sloane – WSL)

Em Fiji, dois brasileiros ainda chegaram no último dia, mas perderam nas primeiras baterias da quinta-feira em Cloudbreak e terminaram em nono lugar no campeonato. O potiguar Italo Ferreira, ainda se recuperando da contusão no tornozelo que o tirou de três etapas, foi batido pelo australiano Julian Wilson, que surfou um tubaço nota 9,17. Já o pernambucano Ian Gouveia liderou toda a sua bateria, até o italiano Leonardo Fioravanti também achar um longo tubo há 3 minutos do fim para receber nota 8,83 e virar o placar para 14,83 a 11,33 pontos.