Meninas abrem o World Surf League Tour 2017 na Austrália

By abrasp | 15 de março de 2017 | Feminino, Notícias

O Roxy Pro abriu a temporada 2017 do World Surf League Championship Tour na quarta-feira de muita chuva na Gold Coast. A largada na corrida do título mundial feminino só começou na quarta chamada do dia, as 13h30 na Austrália. Antes, alguns surfistas entraram no mar para treinar, como os campeões mundiais Adriano de Souza e Gabriel Medina, Filipe Toledo, entre outros, mas apenas as meninas competiram nas ondas de 2-3 pés em Snapper Rocks. A cearense Silvana Lima acabou perdendo uma bateria em que as três atletas somaram 12 pontos nas duas notas computadas, mas terá outra chance de avançar para a terceira fase.

Gabriel Medina treinando os aéreos em Snapper Rocks (Foto: Ed Sloane - WSL)
Gabriel Medina treinando os aéreos em Snapper Rocks (Foto: Ed Sloane – WSL)

A quarta-feira já amanheceu com o swell bombando na Gold Coast, porém com ventos fortes afetando a qualidade das ondas. A comissão técnica foi então realizando outras chamadas durante a manhã. A primeira foi as 7h00 (18h00 da terça-feira em Brasília) e a segunda as 11h00, quando foi decretado o adiamento do Quiksilver Pro. Mas, para as meninas foi marcada outra as 12h15 e mais uma as 13h15, quando foi decidido realizar a primeira fase num mar mais calmo, mas com ondas ainda irregulares de 2-3 pés em Snapper Rocks. No entanto, a primeira fase não é eliminatória e as previsões são de ventos fortes nos próximos dias, então as condições estavam satisfatórias para começar a competição feminina.

Está chovendo bastante desde o início da semana na Gold Coast e na quarta-feira não foi diferente. Na metade da bateria de Silvana Lima desabou uma tempestade rápida, quando a brasileira estava em segundo lugar e a vice-campeã mundial Courtney Conlogue em primeiro. Ela fez boas manobras numa onda que valeu nota 6,60 e passou a arriscar os aéreos para buscar os 5,91 pontos que precisava para superar os 12,50 da norte-americana. Só que ela não conseguia completar a manobra que lhe deu a primeira nota 10 da temporada 2015 nas mesmas direitas de Snapper Rocks.

Silvana Lima (Foto: Ed Sloane - WSL)
Silvana Lima (Foto: Ed Sloane – WSL)

Nos 5 minutos finais, Courtney surfa outra boa onda manobrando forte e logo pega mais uma para aumentar a vantagem para 6,31 pontos sobre a cearense. A francesa Pauline Ado também acha uma direita abrindo uma parede mais longa para ganhar 6,40 e tirar a segunda posição de Silvana. A brasileira ainda tem mais uma chance no último minuto, mas recebe nota 5,57 e termina em terceiro lugar. As três encerraram a bateria com 12 pontos e o resultado foi definido pelas decimais das medias das notas dos juízes.

Courtney Conlogue confirmou sua condição de cabeça de chave número 2 do Roxy Pro atingindo 12,90 pontos com notas 7,00 e 5,90. Pauline Ado somou o 6,40 da sua última onda com o 5,83 da primeira e ficou em segundo com 12,23, contra 12,17 das notas 6,60 e 5,57 de Silvana Lima. A californiana avançou direto para a terceira fase, mas Silvana e Pauline, que estão retornando a elite das melhores do mundo esse ano, terão uma segunda chance de classificação na primeira rodada eliminatória da temporada.

Courtney Conlogue (Foto: Ed Sloane - WSL)
Courtney Conlogue (Foto: Ed Sloane – WSL)

“Já faz mais de um mês que estou treinando aqui e sinto que adquiri um melhor conhecimento dessa onda de Snapper”, disse Courtney Conlogue, vice-campeã do Roxy Pro na final com Tyler Wright no ano passado. “Foi uma longa preparação fazendo alguns ajustes na minha rotina e equipamento para poder estrear bem aqui. Estou feliz por ter conseguido colocar todo o ensinamento na bateria. Foi uma boa disputa e a Silvana (Lima) foi uma adversária difícil de bater como sempre, então estou empolgada por começar o ano com uma vitória”.

FAIXA CARIMBADA – A previsão era realizar as seis baterias da primeira fase, porém as condições do mar se deterioraram rapidamente e a última delas ficou para abrir a quinta-feira na Gold Coast. A primeira chamada será as 7h00 na Austrália, 18h00 da quarta-feira no fuso horário de Brasília. A grande surpresa do primeiro dia foi a derrota da defensora do título do Roxy Pro, Tyler Wright, com sua lycra amarela do Jeep WSL Leader. A também australiana Nikki Van Dijk carimbou a faixa da atual campeã mundial fazendo os recordes da quarta-feira, nota 8,83 e 15,16 pontos.

Nikki Van Dijk o(Foto: Ed Sloane - WSL)
Nikki Van Dijk o(Foto: Ed Sloane – WSL)

“Meu objetivo era começar forte e ir construindo uma boa vantagem na bateria”, contou Nikki Van Dijk. “A maré estava ficando muito baixa e as condições do mar mais complicadas, mas o swell está aí e vai bombar boas ondas nos próximos dias, então já estou na expectativa para ver como vai ser. Estou procurando me concentrar apenas no meu surfe, mas certamente fiquei contente em vencer a atual campeã mundial. Quero chegar no topo e já estou pronta para a terceira fase”.

PRIMEIRA VITÓRIA – Outra australiana festejou a primeira vitória na temporada 2017 do World Surf League Championship Tour. E foi de virada na onda surfada no último minuto da bateria que abriu o Roxy Pro Gold Coast em Snapper Rocks. Sally Fitzgibbons ganhou a maior nota – 7,97 – do confronto para atingir 14,80 pontos e tirar o primeiro lugar da também australiana Keely Andrew, que ficou em segundo com 13,33. A francesa Johanne Defay foi a última colocada com 10,57, mas essa primeira fase não é eliminatória e as duas derrotadas têm uma segunda chance para chegar na terceira rodada da competição.

“É incrível ganhar minha primeira bateria em 2017, especialmente da forma como foi”, disse Sally Fitzgibbons. “Foi muito difícil competir nessas condições, então você tem que aproveitar ao máximo as oportunidades que aparecem para você. Essa é a minha nona temporada no CT, não fui muito bem no ano passado, mas estou bastante animada e confiante para fazer um grande ano em 2017”.

Sally Fitzgibbons (Foto: Ed Sloane - WSL)
Sally Fitzgibbons (Foto: Ed Sloane – WSL)

O Quiksilver Pro e o Roxy Pro são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo da WSL e pela página da World Surf League no Facebook, com divulgação especial também pela TV Globo no Brasil, Fox Sports na Austrália, SKY na Nova Zelândia, SFR Sports na França, SporTV em Portugal e EDGE Sports na China, Japão, Malásia e outros territórios asiáticos.

 

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

———————————————————–

PRIMEIRA FASE DO ROXY PRO – Vitória=Terceira Fase / 2.a e 3.a=Segunda Fase:

1.a: 1-Sally Fitzgibbons (AUS)=14.80, 2-Keely Andrew (AUS)=13.33, 3-Johanne Defay (FRA)=10.57

2.a: 1-Tatiana Weston-Webb (HAV)=13.43, 2-Sage Erickson (EUA)=9.70, 3-Bronte Macaulay (AUS)=7.93

3.a: 1-Nikki Van Dijk (AUS)=15.16, 2-Tyler Wright (AUS)=12.30, 3-Alyssa Lock (AUS)=9.94

4.a: 1-Courtney Conlogue (EUA)=12.90, 2-Pauline Ado (FRA)=12.23, 3-Silvana Lima (BRA)=12.17

5.a: 1-Carissa Moore (HAV)=11.10, 2-Coco Ho (HAV)=5.67, 3-Laura Enever (AUS)=2.43

———-ficou para abrir a quinta-feira:

6.a: Stephanie Gilmore (AUS), Malia Manuel (HAV), Lakey Peterson (EUA)

PRIMEIRA FASE DO QUIKSILVER PRO – Vitória=Terceira Fase / 3.o e 4.o=Segunda Fase:

1.a: Michel Bourez (TAH), Conner Coffin (EUA), Jadson André (BRA)

2.a: Matt Wilkinson (AUS), Stuart Kennedy (AUS), Ian Gouveia (BRA)

3.a: Kolohe Andino (EUA), Kanoa Igarashi (EUA), Jack Freestone (AUS)

4.a: Gabriel Medina (BRA), Wiggolly Dantas (BRA), Ezekiel Lau (HAV)

5.a: Jordy Smith (AFR), Miguel Pupo (BRA), Nat Young (EUA)

6.a: John John Florence (HAV), Connor O´Leary (AUS), Mikey Wright (AUS)

7.a: Kelly Slater (EUA), Mick Fanning (AUS), Jeremy Flores (FRA)

8.a: Julian Wilson (AUS), Caio Ibelli (BRA), Leonardo Fioravanti (ITA)

9.a: Joel Parkinson (AUS), Italo Ferreira (BRA), Joan Duru (FRA)

10.a: Filipe Toledo (BRA), Adrian Buchan (AUS), Frederico Morais (PRT)

11.a: Adriano de Souza (BRA), Josh Kerr (AUS), Bede Durbidge (AUS)

12.a: Sebastian Zietz (HAV), Owen Wright (AUS), Ethan Ewing (AUS)