Oito sul-americanos já estão entre os 48 melhores do Pantin Classic

By abrasp | 4 de setembro de 2016 | Feminino, Notícias

O mar subiu na quinta-feira para 6 pés sólidos na Playa de Pantin e foi realizada uma verdadeira maratona de 28 baterias para adiantar a etapa masculina do QS 6000 Pantin Classic Galicia Pro na Espanha. O dia começou com os doze confrontos restantes da primeira fase e metade dos quatorze sul-americanos avançaram. Depois, foram disputadas mais dezesseis das 24 baterias da rodada de estreia dos cabeças de chave e onze surfistas da América do Sul competiram, com oito deles já passando para a fase dos 48 melhores do QS 6000 da Espanha. O uruguaio Marco Giorgi com 17,77 pontos e o brasileiro Krystian Kymerson com 17,60, fizeram os maiores placares da segunda fase e pela manhã quem brilhou foi Luel Felipe com 16,43 pontos na dobradinha sul-americana com o argentino Leandro Usuna.

Marco Giorgi (Foto: Laurent Masurel - WSL)
Marco Giorgi (Foto: Laurent Masurel – WSL)

Marco Giorgi foi finalista desta etapa dois anos atrás, quando as ondas também estavam grandes para ele mostrar o “power surf” que é sua principal característica. Ele pegou as melhores ondas da bateria para vencer com notas 9,00 e 8,77 do segundo maior placar do dia. Foi quem chegou mais perto dos 18,16 pontos do francês Nelson Cloarec na manhã da quinta-feira na Playa de Pantin. O chileno Guillermo Satt competiu junto com o uruguaio, que mora em Garopaba (SC), porém não conseguiu achar boas ondas na bateria e o australiano Yadin Nicol ganhou a disputa pela segunda vaga do havaiano Ezekiel Lau.

“Eu sabia que aquelas ondas estavam lá. A maré estava enchendo, então eu sabia que elas não iam quebrar muito lá fora e procurei ficar no lugar certo para pegar as melhores das séries”, disse Marco Giorgi, que na terceira fase vai enfrentar o americano Brett Simpson, o australiano Dean Bowen e o indonesiano Oney Anwar na quarta bateria. “Eu não estava com a prioridade (de escolha da próxima onda), então fiquei sentado mais pra baixo do pico e foi onde peguei aquela onda nota 8,77. A outra foi uma bomba e eu estava com a prioridade. Estou muito feliz por termos algumas ondas realmente boas hoje (quinta-feira) e espero que continue assim”.

Só Marco Giorgi superou os 17,60 pontos que o capixaba Krystian Kymerson tinha conseguido quatro baterias antes, na dobradinha brasileira com o pernambucano Halley Batista. Os dois despacharam o sul-africano Matthew McGillivray e o australiano Wade Carmichael, que vinha de vitória no QS 1500 de Anglet, sábado passado na França. Krystian foi semifinalista no QS 3000 da Virginia encerrado também no último fim de semana nos Estados Unidos e ocupa a 24.a posição no ranking do WSL Qualifying Series, com grandes chances de entrar no G-10 que sobe para o CT com um bom resultado na Espanha.

Krystian Kymerson (Foto: Laurent Masurel - WSL)
Krystian Kymerson (Foto: Laurent Masurel – WSL)

“Estou muito feliz por vencer uma bateria tão difícil com o Halley Batista e o Wade Carmichael”, disse Krystian Kymerson, que vai disputar a segunda bateria da terceira fase com o australiano Dion Atkinson, o espanhol Hodei Collazo e o neozelandês Ricardo Christie. “Nós três tivemos boas ondas e eu adoro quando o mar fica um pouco maior. Eu peguei algumas direitas longas com bastante espaço para fazer umas cinco manobras, então foi ótimo que deu tudo certo, com dois brasileiros passando a bateria”.

Antes dessa dupla classificação, o baiano Marco Fernandez já tinha garantido o Brasil na rodada dos 48 melhores do QS 6000 Pantin Classic Galicia Pro. Ele passou em segundo na disputa vencida pelo australiano Dion Atkinson e vai voltar a competir com Halley Batista. Os dois estrearam passando juntos na mesma bateria da primeira fase e agora vão abrir o rounde 3 com o australiano Mitch Crews e um dos tops do CT, o americano Kanoa Igarashi.

Outros três brasileiros passaram para a terceira fase em segundo lugar nas suas baterias, os catarinenses Tomas Hermes e Willian Cardoso e o cearense Michael Rodrigues. Já o paulista Jessé Mendes estreou com vitória, logo após um top brasileiro do CT ser eliminado, Alejo Muniz. Com a combinação dos resultados, os quatro ficaram em duas baterias contra dois surfistas de outros países. Tomas e Willian foram para a quinta, com o português Frederico Morais e o australiano Luke Hynd. E Jessé e Michael para a sétima, completada por Jorgann Couzinet, da Ilha Reunião, e Charles Martin, de Guadalupe.

Halley Batista (Foto: Laurent Masurel - WSL)
Halley Batista (Foto: Laurent Masurel – WSL)

PARTICIPAÇÃO TRIPLA – Mais onze sul-americanos ainda vão disputar classificação em seis das oito baterias restantes da segunda fase, que ficaram para abrir a sexta-feira. A primeira chamada foi marcada para as 8h30 na Espanha, 3h30 da madrugada pelo fuso de Brasília. O terceiro dia já vai começar com três brasileiros brigando por duas vagas contra o francês Adrien Toyon, o paulista Deivid Silva defendendo a quinta posição no ranking, o cearense Heitor Alves e o paranaense Caetano Vargas.

A primeira bateria com participação tripla do Brasil em Pantin aconteceu na quinta-feira, mas os três acabaram perdendo para o surfista de São Bartolomeu, Dimitri Ouvre. Caetano Vargas ganhou a batalha pela segunda vaga e o atual campeão mundial Pro Junior da WSL, Lucas Silveira, foi eliminado junto com o catarinense Yuri Gonçalves. Duas baterias depois, o francês Nelson Cloarec fez a melhor apresentação do QS 6000 Pantin Classic Galicia Pro, totalizando imbatíveis 18,16 pontos com notas 9,23 e 8,93.

Aproveitando a melhor hora do mar na manhã da quinta-feira na Playa de Pantin, os pernambucanos Ian Gouveia e Luel Felipe surfaram boas ondas para ganhar os dois confrontos seguintes. Luel atingiu 16,43 pontos, marca depois só superada na segunda fase, por Krystian Kymerson e Marco Giorgi. O atual líder do ranking sul-americano da WSL South America, Leandro Usuna, da Argentina, passou junto com Luel Felipe e agora vai encarar dois brasileiros na segunda fase, Ian Gouveia e o paulista David do Carmo, que encabeça a 21.a bateria com o australiano Cooper Chapman.

DEFENSOR DO TÍTULO – Também na quinta-feira estreou o atual campeão do Pantin Classic Galicia Pro, o paulista Thiago Camarão. Ele venceu o penúltimo confronto da primeira fase e também vai disputar a penúltima bateria da segunda fase, contra o costa-ricense Carlos Munoz, o japonês Hiroto Ohhara e o português Nic Von Rupp. No total, dezenove surfistas da América do Sul ainda estão vivos na disputa pelos 6.000 pontos da Espanha. São nove brasileiros e dois argentinos nas baterias restantes da segunda fase e mais sete brasileiros e um uruguaio na terceira fase.