Três brasileiros disputam o título do QS 6000 das Ilhas Açores no sábado

By abrasp | 10 de setembro de 2016 | Feminino, Notícias

O pernambucano Ian Gouveia ganhou o duelo verde-amarelo com o jovem paulista Samuel Pupo e vai enfrentar o catarinense Yago Dora na primeira bateria das quartas de final do QS 6000 Azores Airlines Pro, que será encerrado neste sábado em Portugal. Outro brasileiro que vai tentar o título nas Ilhas Açores é o atual campeão mundial Pro Junior da World Surf League, o carioca Lucas Silveira. Ele derrotou o argentino Santiago Muniz na bateria que fechou as oitavas de final e disputa a última vaga para as semifinais com o líder do ranking do WSL Qualifying Series, Leonardo Fioravanti, italiano que eliminou o catarinense Willian Cardoso nas boas ondas de 3-4 pés da sexta-feira na Praia de Monte Verde, na Ilha de São Miguel.

Yago Dora (Foto: Laurent Masurel - WSL)
Yago Dora (Foto: Laurent Masurel – WSL)

Já apontado como um dos surfistas mais radicais da “perna europeia”, o jovem Yago Dora venceu o primeiro confronto do dia. Ele usou os aéreos para ganhar por 14,27 a 13,56 pontos do norte-americano Patrick Gudauskas, que estava bem próximo de tirar a vaga do também catarinense Tomas Hermes no grupo dos dez surfistas que se classificam para a elite dos top-34 da World Surf League pelo ranking do Qualifying Series.

Na disputa seguinte, Ian Gouveia utilizou a força nas manobras de borda nas ondas da Praia de Monte Verde para aniquilar o ataque aéreo de Samuel Pupo. O irmão mais jovem do top da elite, Miguel Pupo, foi a grande surpresa entre os dezesseis finalistas do QS 6000 Azores Airlines Pro, mas a nota 7,83 da melhor onda de Ian Gouveia fez a diferença no resultado de 14,76 a 11,46 pontos. Os dois se conhecem bem, pois moram na Praia de Maresias, litoral norte de São Paulo, como o campeão mundial Gabriel Medina.

“Eu quero chegar em outra final para vencer, pois lá em Pantin eu fiquei em quarto lugar”, disse Ian Gouveia, referindo-se ao outro QS 6000 da perna europeia, encerrado no último fim de semana na Espanha. “Eu sei que não é fácil e essa bateria agora foi uma das mais difíceis que disputei aqui. Eu e o Samuel (Pupo) somos vizinhos e nós praticamente surfamos juntos todos os dias em Maresias. Eu sei o quanto ele é forte no jogo aéreo e o vento estava bom para os aéreos, principalmente as direitas. Então, eu tive que fazer a minha própria tática de manobrar forte e felizmente funcionou”.

Ian Gouveia (Foto: Laurent Masurel - WSL)
Ian Gouveia (Foto: Laurent Masurel – WSL)

Mais três surfistas da América do Sul competiram nas oitavas de final disputadas na sexta-feira. O experiente catarinense Willian Cardoso não teve o que fazer contra o líder do ranking, pois não entraram boas ondas para ele mostrar a potência do seu surfe na bateria. O italiano Leonardo Fioravanti teve mais sorte de começar com uma onda boa que valeu nota 7,0 e venceu por 12,00 a 5,50 pontos.

Na disputa seguinte, o carioca Lucas Silveira conseguiu duas notas na casa dos 6 pontos para ganhar o duelo sul-americano com o argentino Santiago Muniz. O irmão mais jovem do top da elite, Alejo Muniz, tirou a maior nota da bateria, mas acabou somando um 4,87 com o 7,33 da sua melhor onda, sendo eliminado por 3 décimos no placar encerrado em 12,50 a 12,20 pontos.

Santiago Muniz, Willian Cardoso e Samuel Pupo, terminaram empatados em nono lugar no QS 6000 Azores Airlines Pro, com cada um recebendo 2.500 dólares de prêmio e marcando 1.550 pontos no ranking do WSL Qualifying Series. Já os classificados para as quartas de final garantiram um mínimo de 3.000 dólares e 2.650 pontos. Ian Gouveia é um dos que podem entrar no G-10 que sobe para o CT nas Ilhas Açores, mas precisa chegar na final para ultrapassar a pontuação de Tomas Hermes, que está fechando a lista. Quem está a um passo de tirar o catarinense é o francês Maxime Huscenot e consegue isso se passar por Ezekiel Lau, só que o havaiano defendia a penúltima vaga no G-10 e pode ganhar até a sétima posição do brasileiro Deivid Silva se for para as semifinais.

QS 1500 FEMININO – Na sexta-feira, as meninas também voltaram a competir e disputaram duas fases completas para definir as classificadas para as quartas de final do QS 1500 Azores Airlines Pro. As três últimas esperanças para um título sul-americano em Portugal, não passaram da primeira rodada do dia.

Josefina Ane (Foto: Laurent Masurel - WSL)
Josefina Ane (Foto: Laurent Masurel – WSL)

A chilena Lorena Fica entrou na primeira bateria das meninas na sexta-feira e perdeu para a francesa Pauline Ado e a havaiana Brisa Hennessy, que vão se enfrentar na primeira quarta de final. As outras duas foram barradas na bateria que fechou a segunda fase. A experiente Claire Bevilacqua, australiana que já venceu duas provas da “perna europeia”, superou a argentina Josefina Ane e a peruana Melanie Giunta, no confronto vencido pela havaiana Mahina Maeda.

As duas que tiraram a América do Sul da briga do título em Portugal, vão disputar a última vaga para as semifinais do QS 1500 de Portugal. E duas francesas estão nas outras baterias das quartas de final, Pauline Ado na segunda com a portuguesa Camilla Kemp e Justine Dupont na terceira com a costa-ricense Leilani McGonagle.

A etapa masculina do QS 6000 e a feminina do QS 1500 do Azores Airlines Pro, serão encerradas neste sábado nas Ilhas Açores, com a primeira chamada do dia marcada para as 8h30 em Portugal, 5h30 pelo fuso horário de Brasília, com transmissão ao vivo pelo www.worldsurfleague.com